No dia em que eu for embora.

Ano passado recebi de uma amiga minha um texto tocante falando sobre o momento da morte. Na hora eu nem quis ler, pois a gente nunca quer pensar que um dia nós, ou as pessoas que amamos teremos de dizer até logo. Porém, a única verdade irrefutável da existência humana é que fatalmente um dia esse momento chegará para todos nós.
Inspirada por uma discussão que surgiu no fórum do site Garotas que Dizem Ni, resolvi colocar minhas impressões sobre esse assunto. Diferente do que possa ter parecido ali em cima eu não tenho medo da morte, e até a encaro com certa naturalidade. Talvez pelas minhas próprias convicções, talvez pela filosofia ideologia que sigo eu não acredito que a morte do corpo físico seja o fim da existência. Pareceria realmente mais lógico que quando uma pessoa morresse o corpo dela deixaria de existir e tudo o que ela viveu e sentiu viraria “poeira” ao vento, mas não consigo pensar desse jeito. Sinto de uma forma muito clara que essa não é minha primeira vida e nem será a última. Senão como explicar certos conhecimentos e atitudes que tenho que não foram aprendidos? Ou como explicar a tamanha afinidade que me aproxima de pessoas que entram na minha vida há poucos anos e a total falta de afeto que tenho por muitos parentes? Pensando de forma coerente e realística isso não seria possível, seria?
Creio sim que a alma é eterna e retorna à existência humana quantas vezes forem necessárias que ela se aprimore. Não creio necessariamente no conceito de karma – que significa que a reencarnação só é necessária para que possamos resgatar nossos erros e faltas adquirida em outras vidas – seja valido para todas as pessoas, pois há pessoas que trabalham com tanto afinco para o bem estar das outras pessoas que não é possível que estejam “pagando” por algo.
Mas, voltando ao texto que minha amiga me enviou: lá dizia algo sobre as coisas que o autor do texto gostaria que as pessoas pensassem sobre ele. E de certa forma eu gostei disso. Então você amigo e amiga dessa humilde garota leia com atenção o que eu tenho para lhe dizer.
No dia em que eu for embora eu não quero que você pense que o mundo é injusto, que a vida é cruel, e que leva embora as pessoas certas nos momentos errados. No dia em que eu for embora certamente será porque eu já cumpri e aprendi aquilo que me foi designado, e chegou o momento de descansar de novo.
Não se revolte independente, dos motivos que me levarem a abandonar vocês, pois eu creio que cada um dez nós tem um jeito de ir embora, e seja ele qual for não adianta se revoltar por isso.
Se você sentir vontade chore o quanto for preciso, pois a saudade é algo intrínseco á natureza humana e não podemos nos privar de nossos sentimentos, mas que o choro não dure mais que algumas horas. No máximo dias. Porque onde eu estiver eu vou sentir sua tristeza e não quero ser motivo de tristeza para ninguém.
O que eu quero sinceramente é que você se lembre dos bons momentos que eu pude te proporcionar, das risadas, dos momentos de reflexão ou de puro besteirol que passamos juntos. Quero que lembre daquela conversa até de madrugada, da festa em que eu fiquei tão bêbada que você teve que me ajudar a tomar banho gelado, das afinidades que descobrimos dias pós dia. Lembre das músicas que cantamos juntos, das leituras que recomendamos um ao outro, do dia em que te fiz chorar de raiva e depois liguei arrependida até a medula para pedir: Oi, eu sou uma boba. Me desculpa?
E sabe por que não quero que a tristeza se instale no seu coração e as lágrimas teimem em cair dos seus olhos? Porque toda nossa amizade, todo o carinho que existiu, todo o respeito não estará sendo enterrado junto com meu corpo. Todas essas impressões serão levadas junto à minha alma e um dia quando a gente se encontrar de novo em um novo lugar, com outro rosto e outros nomes a gente vai saber intuitivamente que tudo o que a gente viveu junto está lá, que a amizade, o respeito e o carinho não morrem. E que pessoas que se amam de coração tem o direito divino de se encontrarem novamente e novamente. Claro que tudo isso é baseado no que eu acredito, mas quero que você também faça força para acreditar que seja onde for eu estarei lá olhando por você.
Aviso: Queridos e queridas, como eu também sou uma apaixonada por fotos, resolvi colocar aí ao lado, uma lista de Fotologs que eu costumo visitar. Se você tem um, me passa o link que eu coloco aqui.
Anúncios

9 comentários sobre “No dia em que eu for embora.

  1. Ana Martins disse:

    Lindo texto. Realmente existem pessoas que não conseguem lidar muito bem com a morte, e têm até medo dela. Ainda bem que tudo que eu acredito me faz lidar muito bem com essa passagem. =D

  2. Diana disse:

    OI querida Re, amei a idéia, quem sabe um dia também poste sobre o assunto… Concordo contigo, a vida não pode simplesmente acabar, acho que apenas mudamos de lugar para vivermos outras vidas e claro encontramos novamente as pessoas que são especiais!
    Beijocas

  3. Bárbara Amelize disse:

    Enfim, reapareci. Pedindo desculpa pela demora! :D Mas, claro que eu viria e você sabe disso, né?!

    Este seu texto me deixou um tanto quanto pensativa, sister! Tive uma fase em que reencarnação era tão óbvio pra mim quanto o ar que respirava. A idéia de karma também. Hoje, como mencionei em um dos meus textos, tenho “descontruído” (termo meu… rs) todas as minhas certezas. Note que “descontruir” é bastante diferente de destruir. Estou só tentando achar a verdade das coisas. Procurando refazê-las em minha mente de forma tal a estarem isentas de certas definições e idéias pré-concebidas. O fato é que, por mais que eu esteja “descontruindo” minhas certezas antigas, não consigo me desvincular desta sua idéia. Também acho que esta não é minha primeira, nem última vida. E certas coisas servem para firmar esta idéia. Como você na minha vida, por exemplo. Parece que te conheço há mais anos que minha própria idade. :D

    Amei a idéia do texto, a forma com que expôs como gostaria de ser lembrada… muito lindo, de verdade! A morte é ainda um conceito meio obscuro. Acho que sabemos lidar com a idéia dela quando pensamos em nossa própria morte, mas não na morte de quem amamos. Mas, enfim… só espero que eu vá antes de você…. rsrsrs :D:D:D:D:D

    Amo-te, hermana querida! Baci

  4. Lady Sith disse:

    Belíssimo texto, Rê. Um dos mais bonitos que você escreveu. Parabéns.

    Não sei lidar com a morte muito bem. Nunca perdi ninguém que fosse muito próximo de mim ou que eu tivesse muita afinidade, então tenho até medo da forma como eu reagiria. Tomara que consiga encarar com a tranqüilidade que você pediu. Beijo.

  5. Marcia e Bella disse:

    Assunto extremamente delicado pra mim.
    Que bom seria se nós pudessemos colocar em prática o que o texto diz, mas pra mim a verdade é que a morte deve deixar um vazio muito grande no coração de quem fica. E que jamais consegue ser preenchido.
    Ai, fiquei tristinha.
    Beijos,

  6. *Renata Costa* disse:

    Creonças do coração da Rezinha. Não quero que se entristeçam com esse texto pois vão ter que aguentar essa tranqueira aqui por muiiiiiiiiitttttto tempo

    =D

  7. Eurritimia disse:

    esse texto parece aquelas cartas de despedida q se escreve antes de morrer…
    se algum conhecido meu próximo morrer subitamente, eu ficarei chocado e levemente triste, mas nada que a doce sucessão dos dias não resolva
    e eu acho um desperdício a gente só viver uma vez. eu tb acredito em reencarnação, mas se ficar comprovado q isso não existe, eu deixarei de acreditar!
    beijos!

  8. Lídia Chululú disse:

    A música VIDA PASSAGEIRA do IRA!

    “É qdo seus amigos te surpreendem Deixando a vida de repente E não se quer acreditar. Mas essa vida é passageira Chorar eu sei que é besteira Mas meu amigo Não dá pra segurar Desculpe meu amigo mas não dá pra segurar.”

    Quem tem esperança de uma vida eterna costuma lidar melhor com a morte, mas mesmo assim é triste. Até Jesus, q ressucitou Lázaro, chorou qdo o viu morto.

  9. Mestre Campestre disse:

    Belíssimo texto.
    Foi comovente o modo como pediu que lembrassem de ti. Eu acredito na vida eterna, mas mesmo assim eu não deixaria de me sentir demasiado triste por perder alguém próximo. Nunca perdi alguém querido, e espero que isso não aconteça.Espero que quando isso ocorrer que eu encare do modo como você descreveu, com serenidade e boas memórias para se lembrar.

    Baci

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s