Conflito de Gerações

Quando eu era nova detestava quando meus pais, tios e avós estufavam o peito e diziam: “Na minha época tudo era diferente”. Eu cuspi para cima e caiu na minha testa. Não é de agora que venho me questionando sobre o comportamento das gerações mais novas que eu, e como estou de férias da faculdade tenho aproveitado bastante as noites livres para ir ao shopping com meus amigos ou meu irmão caçula e minha mãe e fico realmente passada de ver a quantidade de “tribos” que surgiram nos últimos tempos, mas o pior de tudo não são as tribos em si, mas a falta de ideal delas. Hoje em dia os jovens adotam visuais no mínimo estarrecedores, mas se perguntarmos o porque de se vestirem assim, dificilmente eles saberão responder. Bom deixemos de balela e passemos à análise dos visuais:
Punk-rocker´s de botique:
Como identificar
: Garotos usam mini – moicanos que consistem em deixar a parte do meio do cabelo um pouco mais alta e curtas as laterais (imagina raspar o cabelo!). Costumam usar piercing na boca ou sobrancelha. Usam camisetas das “maiores” bandas punk-rock da atualidade: Green Day, Good Charlotte e por aí vai. Garotas pintam o cabelo de vermelho, verde e rosa, se maqueiam como se fossem matar alguém. Todos usam correntes para não deixar as calças cair.
Ideal: Não existe. Se vocês perguntar para a maioria o que eles acham de bandas como N.O.F.X, Bad Religion ou Ramones, ou do movimento punk em que essas bandas estiveram inseridos eles dirão que são coisas velhas e não estão interessados em saber.
Sugestão: Apresentar aos garotos o verdadeiro som punk da década de 70, explicar porque eles eram assim e mostrar que usar correntes para segurar as calças não os levará à lugar algum.
Emos
Como identificar: Garotos e garotas usam roupas pretas, All Star (um adendo: eu uso All Star desde que tinha tamanho suficiente para um caber no meu pé e me revolta eles babarem no meu All Star Vermelho), garotos usam franja enorme cobrindo o olho que também é coberto por toneladas de lápis/ sombra pretos. Garotas usam cabelos, em geral, de corte “chanel” meia arrastão. Todos curtem bandas de Emocore como My Chemical Romance e afins.
Ideal: Não existe. Se vocês perguntar para eles porque se vestem daquele jeito, ou porque estão sempre com aquela cara de sofrimento eterno não saberão responder. Mas o fato é que eles sofrem, gostam de falar do sofrimento, escrevem poesias e músicas de sofrimento e curtem o sofrimento (eu sei que a palavra tá repetitiva mas é para dar noção de como eles sofrem sem motivo).
Sugestão: Presentear cada um com um vidro de demaquilante para olhos, um corte de cabelo mais decente, um CD com as melhores músicas do Supergrass para dar uma animada, e ter uma séria conversa com os pais do cidadão em questão. Não é possível que eles achem normal que seus filhos saiam de casa daquele jeito.
Rebeldes
Como Identificar
: Meninas usam camisas semi- sociais com o sutiã aparecendo e saias colegiais demasiadamente curtas. Garotos usam o mesmo tipo de camisa com bermudas (?!). Todos usam muito gel, e cortes de cabelo moderníssimos. A atitude consiste em traumatiza pais e avós com seus atos, roubar a namorada ou namorado da/o melhor amiga/o, exercitar intrigas, desrespeitar os professores e colegas de classe.
Ideal: Não há. Se você perguntar para eles qualquer coisa relacionada ao movimento jovem durante a Ditadura Brasileira, sobre anarquia ou qualquer outro substantivo fora de uso na Gramática da Língua Portuguesa olharão sensualmente para você e avisarão que estão atrasados para o cabeleireiro/ academia.
Sugestão: Emprestar o DVD de ” Anos Dourados” (sim aquele mesmo com a Malu Mader), o Livro “O que é isso companheiro” de Fernando Gabeira e “Olga” de Fernando Morais, solicitar que estudem atentamente o movimento juvenil das décadas de 60 a 80 no Brasil e na década de 40 na Europa, e depois disso tentar traçar um paralelo entre os motivos de rebeldia de antes, e os de agora.
New Gotic (Novos Góticos)
Como Identificar
: Se você estiver andando na rua, e o termômetro mais próximo estiver marcando agradáveis 38ºC na sombra e passar por você um jovem extremamente pálido, com cruzes no pescoço, todo vestido de preto, coturno e um sobretudo para cobrir tudo isso, não pense que encontrou um religioso abnegado. Bom talvez seja, mas observe: caso esteja portando camisetas de bandas como After Forever, Nightwish e afins você está frente a frente com um Novo Gótico. Acompanha o “kit” unhas pretas e maquiagem escura como a dos Emos, mas normalmente os góticos usam cabelos compridos e não tem cara de sofridos, e sim de desencarnados.
Ideal: Não há. Eles aprenderam com os primos e amigos mais velhos que é legal ficar no cemitério tomando vinho e fazendo poesia. Mas eles não sabem porque fazer isso, e também tem medo de cemitério
Sugestão: Levá-los para comprar umas roupas mais coloridas, ou pelo menos uma peça de cor branca. Mostrar que pessoas que curtem The Cure e se vestem de forma mais descolada (como eu) não são hereges profanadores do “movimento” e sim pessoas normais. Aconselhar o uso de menos vinho e adotar e pan-cake (maquiagem que os deixa brancos).
Eu sei que essa crônica está ácida demais, mas não levem meus comentários e sugestões para o lado preconceituoso, foi apenas meu jeito de dizer: “Na minha época, as coisas eram muito diferentes” (modo tiazinha chata de 26 anos off)


Fica triste não, vamos ali comprar um demaquilanete e um cd do Supergrass e tudo ficará bem.

Anúncios

18 comentários sobre “Conflito de Gerações

  1. Eurritimia disse:

    parece até um post q fiz no meu flog esses dias…
    o q mais me deixa desapontado é esse vazio das pessoas, essa falta de ideais… não q eu tenha, mas sei lá, eu sinto uma falta de esperança nas pessas (a começar por mim), uma falta de vontade de mudar as coisas…
    beijos!

  2. Lídia Chululú disse:

    Isso é verdade hermana.
    Minha irmã agora é da tribo hip Hop.
    Sem ideais, apenas acha legal se vestir de maneira diferente, se sente tendo uma causa e com personalidade, mas na verdade nao tem personalidade nenhuma.
    bjus

  3. Bárbara Amelize disse:

    Rebeldes sem causa. Faltam ideais, faltam motivacões!

    FALTA! Sobra tanta falta!

    Definitivamente você tem razão, hermana. E não… não há acidez neste texto. Há verdades que deixam no ar o pensamento: onde é que foi parar a luta por uma causa. A defesa de uma causa. Por que tanto vazio?

    Estas pessoas acreditam em que? Lutam pelo que? O quanto conhecem daquilo que vestem a camisa? Parecem brasileiros na hora de votar. Vestem a camisa, sem saber nem o que idealiza. A história por trás se perde. Parecem robôs que seguem uma onda. E pior… seguem porque acreditam ser algo diferente. Que necessidade é essa de ser diferente? De parecer diferente? Por que não ser diferente em opiniões, em idéias, em atitudes que engrandeçam diante de um mundo que cada vez mais torna inerte os bons valores? Torna-os ridículos?

    Seria trágico, se não fosse cômico. Porque sinceramente, só consigo rir quando vejo umas pessoas assim. rs Principalmente, dos emos. E a cara deles de eu sofro! Quando não sabem nem o que é sofrer de verdade.

    “Ideologia, eu quero uma pra viver” Cazuza.

    Baci! Texto perfeito, hermana querida…

  4. Diana disse:

    Também fico horrorizada com a geração de jovens que temos hoje, tudo está tão banalizado, respeito está fora de moda e tudo acontecendo mais cedo do que seria natural, a infância está cada dia mais desencantada e curta…
    Tenho te visitado mas com preguiça e desânimo para comentar, hoje resolvi deixar um beijonho, apareça sempre viu!…

  5. Mestre Campestre disse:

    Ciao!
    Concordo contigo em tudo. E acho terrível que tenha gente que fique isolada nesses grupinhos fechados por uma ilusória corrente de ideais que nunca sequer existiu.

    Aliás fico imaginando como isso tudo surgiu. Porque eu nunca percebi esses grupinhos durante o colégio.Parecem ter surgido do nada. E eu não tenho medo nenhum de ser chato e dizer na cara desse povo: “na minha época era melhor, não tinha disso nem daquilo”.
    Mesmo porque acho ridícula essa segregação sem motivo, onde gostos de ordem pessoal e “idéias” de origem duvidosa coordenam as relações de um grupo.

    Eu sou eu mesmo e pouco me importa o que os outros tem a ver com o que eu penso. Não declaro guerra nem indiferença a alguém só porque não gosto do que esse alguém gosta. Pelo contrário, é a partir das pessoas de opiniões que diferem das suas que você consegue desenvolver a si mesmo. E,se me permite acrescentar mais lenha na fogueira, é exatamente isso que esses grupinhos deviam perceber. Além é claro de saber de que ideiais estão fazendo propaganda. Porque de nada adianta defender algo se não há conhecimento nem argumentos válidos que o sustentem.

    Só espero que essas pessoas abram os olhos e percebam que conhecer também envolve aceitar e compreender.Porque eu não gostaria de viver num mundo em toda essa segregação sem sentido controla as relações entre as pessoas. :/

    Ótimo texto.
    Baci e abracci.

  6. Lady Sith disse:

    Eu nunca gostei de rebeldes sem causa e de adolescentes que participam de um grupinho só para dizer que têm “atitude” e “personalidade”. Sempre achei isso ridículo e nunca tive paciência com esse tipo de gente. Dá vontade de sar uns cascudos só para ver se eles deixam de ser bestas (nossa, quanta revolta!). Enfim, concordo contigo em gênero e número.

  7. Normal do Rócio disse:

    Enquanto eu não estiver numa dessas tribos, por mim tudo bem.

    É no mínimo divertido ver como são avoados, como a Renata fez no texto dela. =]

  8. Carolzinha disse:

    Sabe que tbm já pensei muito nisso de que “no meu tempo era diferente”…
    Os jovens mudam de 10 em 10 anos… não tem como brecarmos isso!!! – apenas eles poderiam ter um ideal!!
    Mas vc já parou pra pensar q na sua juventude vc tbm não tinha um ideal?!? Ou tinha?!?!?!
    Bjus

  9. *Renata Costa* disse:

    Queridos e queridas!
    Grazzie por todos eses comentários deliciosos!!
    É bom saber que não sou a única ranzinza do mundo… hahaha

    E respondendo à pergiunta da Carol:
    – Sim! Eu tinha um objetivo aos 14 anos e graças a ele estou onde estou e´foi sempre ele que me levou a seguir adiante. Nunca fiz parte de nenhuma tribo ou segui um sonho coletivo, mas sempre perseguir meus sonhos individuais pois como dizia um famosos economista do século 19 “O mundo tem desejos coletivos baseados em pequemos sonhos individuis”.

    E deixa eu parar senão daqui a pouco vira outro texto……rs

  10. Fabiana disse:

    Eu estranho mesmo essas tribos. Na minha época haviam tribos, mas não eram tão radicalmente vazias como as tribos de hoje. Minha geração não tinha ideais muito construtivos mas também não tínhamos a pretenção de sermos os donos da verdade.

    E não, você não é a única ranzinza, também fico me perguntando que mundo é esse?

    Beijo.

  11. Ana Martins disse:

    É, Renata.
    Eu, praticamente saída da adolescência (21 anos nas costas) fico horrorizada com esses meninos que estão acabando de entrar.

    Mas eu acredito que isso passe. Um dia eles vão ver o quanto foram crianções e retardados e vão ser eles mesmos. Como aconteceu com as muitas gerações ‘sem causa’.

  12. Muta disse:

    muito bom renata, muito bom mesmo!

    me diverti demais com as descrições, quase nada, ácidas de cada pseudo-tribo. mas deixe as menininhas usarem saias curtas, oras bolas! ;o)

    ah, e se quiser me dar o cd do supergrass e o dvd do anos dourados pode ficar a vontade! =P

    beijo

    ps.: acho que ninguém mais, além de vc, lê o idéias… já não bastasse o trabalho acabando comigo, mais essa???

  13. Candia disse:

    Eu sou o que???

    Uso AllStar/Coturno/Salto
    Uso cinto de tachinhas, braceletes, odeio crucifixo e amo música gótica.
    Gosto de vocais urrados e garotos despojados…

    Sou uma Newmetalemogoticadarkcore???
    Hahahahahahahahah

    Amo vc
    =*

  14. Rafa disse:

    Rê…
    Acho que vamos repetir atitudes dos nossos pais muitas e muitas vezes…afinal são nossos modelos né (bons ou ruins).
    Gostei de saber os nomes das novas tribos e como identificá-los. Moicano prá mim só no banho (qual homem nunca fez isso né) e All Star só no Anita Costa (Como bem disse a Tia Lú ontem).
    Grande Beijo, ótimo texto.

  15. Dark disse:

    velho é foda!
    sabe como é e ainda fica reclamando!
    sabe duma coisa?
    fale mal a vontade… tenho 14 anos e num tenho uma tribo específica, mas sei que eu adoro a liberdade de expressão!
    agora aprenda com isso, e ensine seus filhos a terem ideais concretos como os punks… não interessa quais, o importante é que tenham!
    rídiculo… seu texto realmente ficou muito ácido

  16. *Renata Costa* disse:

    Prezado Dark, de 14 anos.

    Um dia voc~e terá mais que 25 anos e lembrará das minhas palavras. Anote aí.

    E, para uma pessoa que preza a liberdade de expressão, o seu comentário foi bastante infantil, aliás digno de uma criança, que é o que você é.

    Atenciosamente:

    Renata Costa, a velha de 27 anos.

  17. Jared disse:

    Você tem razão, parabéns pelo post

    Infelizmente hoje é assim mesmo =/

    Mais tem ainda uma geração nova que sabe que Gotic Metal não tem nada haver com a subcultura gótica/Darkwave

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk …

    beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s