Classic Cartoons

Quando eu era criança adorava desenhos animados tanto quanto hoje. Minha mãe até dizia que um dia eu ia ficar cega de tanto ver televisão, mas também não sei se posso atribuir meus quase oito graus de miopia a isso.

O fato é que depois que cresci, e os desenhos que eu costumava assistir deixaram de passar eu comecei a achar os desenhos mais novos muito, muito chatos, sem criatividade e sem graça.

Até cheguei a cogitar que o problema era comigo que já era chata e ranzinza antes mesmo dos vintes anos, mas de uns anos para cá, graças a recompra dos desenhos antigos pelos canais de TV como SBT, Rede Record, Boomerang e Cartoon Network* tive a grata felicidade de rever os meus favoritos como:

Tom & Jerry

Eu sei que o Jerry é a maior parte do tempo maldoso. E que o Tom em contrapartida, apesar de tentar ser um gatinho mal (como diria aquele desmelinguido do Piu – Piu), a maior parte do tempo só faz pataquada e se dá mal. Mas, cá entre nós, que criatividade tinham os produtores desse desenho. Há alguns episódios excelentes, como os que o Tom se apaixona por alguma gatinha e se dá muito mal. Mas, de longe o meu preferido é o que eles entram na execução da ópera Carmen e a partir daí tudo é loucura como a troca das partituras do maestro por formiguinhas! Impagável!

Pink Panter – A Pantera Cor de Rosa

Bom, uma coisa que sempre me deixou intrigada quando criança era o fato de chamarem a pantera cor de rosa se na verdade ela era ele, como provado quando ele usava aquelas roupas sofisticadas combinando com boinas e etc. Ademais, o roteiro dos desenhos é muitíssimo bem escrito e não se vêem erros de corte como nos desenhos atuais. Sem falar claro que os roteiristas tomavam altas doses de produtos ilícitos por que só assim eles poderiam fazer o episódio em que o pantera sai correndo a cidade inteira atrás de uma moedinha de 25 centavos, e fazer com que eu me acabe de rir do outro lado da telinha.

Peanuts – A Turma do Charlie Brown ou Snoopy

Hey Minduim! A clássica frase entoada por Betty Pimentinha (em inglês Pepper Patty) é usada por mim até hoje quando quero chamar alguém de Charlie Brown. Esse desenho sempre, originado das tirinhas dos jornais, sempre misturou altas doses de humor, doçura e sensibilidade com doces lições para as crianças – e adultos. Hoje mesmo tive o prazer de rever o filme da turminha que em português leva o título de “Boa Viagem Charlie Brown” Em que Charlie, Linus, Betty e Marcie, acompanhados de Snoopy e Woodstock, viajam para a França para uma semana de intercâmbio, passando por Londres no caminho. A melhor cena do desenho, claro, fica por conta do Snoopy e do woodstock que resolvem passar a noite numa espécie de pub. Enquanto o cãozinho toma cerveja e se diverte Wood começa a tocar violino (!) para acompanhar a canção. Eu recomendo!

Wood Woodpecker – Pica Pau

O melhor de todos os tempos, na minha singela opinião. Um passarinho amalucado de cabeça vermelha não teria muito para ser o desenho mais engraçado de todos os tempos, mas eles simplesmente é. Listar minha lista de favoritos dele aqui seria fazer mais um texto, pois já que eu tenho três cds repletos de desenhos dele – viva o emule – e mis alguns a gravar no computador. Isso é claro, apenas dos desenhos antigos, pois a nova roupagem dele é irritante. Mas se eu pudesse eleger os três melhores episódios até hoje, eu elegeria o do barbeiro de Sevilha, o da Polca do Pica Pau (que ele entra disfarçado de mulher numa festa no celeiro e faz o Leôncio se apaixonar) e o que ele vi até o Psique… Psique… doutor! E, aliás, nada melhor para fechar esse texto que o episódio em si

Eu precisor ir ver os Psique … Psique…. eu vou ver o Doutor!

*Os canais desse texto não pagaram à autora nenhum centavo para que tivessem seus nomes divulgados. Sim. É propaganda gratuita.

Anúncios

Sobre música

Dia desses estava no ônibus quando entraram dois moços que sentaram no banco atrás do que eu estava sentada e começaram a conversar sobre música.

– Cara! Nem da para acreditar que finalmente eu vi o Motörhead ao vivo! To meio surdo até agora.

– É, pois é! Os caras mandam muito bem. Nem dá para acreditar que eles estão há mais de trinta anos na ativa.

– O show foi tão bom quanto o do Evanescence.

-…

– Que foi cara?

– Pô, você quer comparar uma das melhores bandas de heavy metal do mundo com uma bandinha gótica que tem o que? Quatro, ou cinco anos de existência no máximo.

– Olha o preconceito! Isso dá cadeia. Só porque a banda é comandada por uma garota, alias, que gracinha de garota.

– Tá. Tenho que concordar que a Amy Lee é bonita, é gostosa, tem os olhos mais bonitos que eu já vi no mundo inteiro, tem um cabelo perfeito e a pele linda, mas musicalmente falando ela é fraca. Muito fraca!

– Você não manja nada de mulheres no mundo musical mesmo. Quando eu fui ver o show da Sandy & Júnior com minha namo…

– Você o que?!

– Acabei de falar! Fui ao show da Sandy & Júnior com minha namorada. E a mina manda muito bem.

– Cara to te estranhando! Nós fomos juntos ver Iron Maiden! Curtimos heavy metal juntos há mais de vinte anos! Que te ta rolando?

– Ah cara, você que é um bruto!

– Bruto?! Ta falando igual mulher agora também? “Qualé”?

– Assim você magoa meus sentimentos.

– Quer saber? Você não é digno dessa camiseta do Primal Scream. Tira ela e me dá aqui.

Eu sei que ouvir a conversa alheia é muito feio, e não foi a minha mãe que me ensinou isso, mas muitas vezes isso rende diálogos impagáveis, como esse.